terça-feira, 24 de agosto de 2010

Preconceito? Como assim?


Atualmente existe um novo conceito de família: a que é a tida como "normal", com pai e mãe juntos; aquela em que só existe uma mãe; outra em que só existe um pai; há também a formada por duas mães, ou dois pais, e que, nem por isso, deixa de ser um lar.

Em 2007 a revista Crescer realizou um estudo sobre casais homossexuais que desejam ter filhos. E os entrevistados na época (tô falando de apenas 3 anos atrás!!!!) preferiram esconder o nome ou não posar para fotos. Medo? Sim, do preconceito.

É fato! Estamos no terceiro milênio e ainda arraigados a preconceitos tão severos?
Existem novos núcleos familiares que merecem a proteção jurídica do Estado. Não tem volta, gente, é simples como andar para frente.

Eu, como filha do Poeta da Igualdade, hoje Embaixador da Paz em Genebra, cresci acreditando que a dificuldade da maioria das pessoas em relação a essas novas famílias vem de berço. Aprende-se que o tradicional é o certo. E isso é bobagem. Quanto mais cedo a criança for introduzida aos novos modelos de famílias, mais natural será para ela.

E as escolas têm que contribuir para amenizar o problema. O assunto tem que ser tratado com normalidade e a equipe pedagógica tem que estar preparada para solucionar eventuais crises. Ainda bem que há dirigentes de escolas com sensibilidade, que estão se adequando aos novos modelos de sociedade, e no lugar do Dia dos Pais, do Dia das Mães, criaram o Dia da Família.

Legalmente no Brasil, como vocês devem lembrar, o precedente foi aberto pela Maria Eugênia, a ex-companheira da Cássia Eller. Ela ganhou a guarda do filho biológico da cantora, Francisco (Chicão), em 2002. Mas ainda há um longo caminho a seguir.

Veja isso: uma pesquisa do Instituto Ibope dá uma pista sobre o tamanho da intolerância a ser vencida: 53% das mães brasileiras são contra a adoção de crianças por casais homossexuais. Pelo amor de Deus, o que é isso? Como pode haver um olhar desigual sobre uma criança? Como alguém pode julgar uma diferença? Ter pena? Ter preconceito?

A sociedade tem que se preparar para respeitar as adoções por casais de união homoafetiva, para que os adotados não se sintam discriminados e punidos pelo fato de terem sido acolhidos por uma família que não os excluiu. O Brasil já começa a encontrar guarida na jurisprudência que, além de reconhecer a família formada por par do mesmo sexo, tem decidido, ainda que timidamente, pela adoção de menores por dois homens ou duas mulheres que convivem afetivamente nos moldes da união estável.

Os casais homossexuais, diante da impossibilidade biológica de gerarem filhos entre si, recorrem à adoção como meio de realizar o desejo da maternidade ou da paternidade afetiva. E aí entra a minha história, que começou há tempos atrás, quando, em 1980, conheci uma menininha linda chamada Moira, filha do meu atual marido. A Moira cresceu super bem, antenada, politicamente muito ativa, estudiosa, brilhante. E conheceu a Raquel, também uma mulher muito preparada. E formaram um casal de mulheres adultas, com excelente nível intelectual, prontas para enfrentar o mundo e os preconceitos pobres da sociedade.

Tiveram, as duas, a coragem de trazer para este mundo um filho. Mas resolveram que fosse do próprio ventre. Escolheram não perder este milagre divino da vida de uma mulher. E chamaram um grande amigo para a inseminação artificial. A Raquel engravidou, a família e os amigos entenderam, e quem não entendeu de cara aprendeu a respeitar os limites dos outros, aprendeu a amar a escolha do outro, a exercer a compreensão que deve reger a vida.

E, enfim chegou o Martim! Nasceu ontem, 23 de agosto, em São Paulo, às 21h41. Lindo, forte, com 3,4 Kg e muito, muito amor.

Será fácil pra ele? Para elas? Claro que não! O mundo ainda é o mundo. Mas a gente tem que tentar fazer dele um mundo melhor.

Bem-vindo, Martim, seja muito feliz neste mundo difícil, mas que trará as possibilidades de abrir caminhos para uma nova geração de jovens mais humanos e preparados. Você é um deles, Martim.

Façamos a nossa parte?

Beijos.

9 comentários:

  1. Adorei seu post, ou melhor sua matéria!
    Concordo plenamente com tudo, liberdade em todos os sentidos, chega de preconceitos!
    Que daqui alguns anos o Martim leia isto como lembrança, e tenha muito orgulho de ter participado dessa fase inicial do "fim do preconceito"!
    Parabéns às mamães!!!
    Martim seja bem vindo e seja muito feliz!
    Beijos,
    Elaine Zuccaro.

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso! Viva o amor! Viva o pequeno Martim! Viva Moira & Raquel! Viva toda essa linda família! bjs Celso Brás

    ResponderExcluir
  3. Tenho muito orgulho de todas as minhas meninas, todas a seu modo muito especiais, e todas no melhor caminho: o da família e do amor.

    ResponderExcluir
  4. Yo, tenho um alerta do google sobre adoção e ontem recebi a sua postagem "Preconceito? Como assim? Onde vc comenta sobre a adoção por casais homossexuais ou, como hoje se diz, homoafetivos. Resolvi comentar pela simplicidade com que vc traz o tema. É isso! Somos na maioria filhos de heteros, “educados” para discriminar o diferente ou o que não se enquadra no que aprendemos como normal.
    De repente! A vida apresenta as situações com as quais teremos que lidar. Este novo modelo de família é um deles, pai, mãe, dois pais duas mães, filhos do primeiro casamento e do terceiro convivendo com os filhos primeiro casamento do marido ou da mulher, famílias interraciais etc etc. E daí, como lidar com tantas diferenças hoje? Conversando entre nós, falando com amigos, colegas de trabalho, parentes, nos jornais, nos blogs, grupos de discussão, de apoio, enfim, mesmo nos trabalhos ditos de “formiguinha” iremos também contribuir para que as pessoas respeitem as outras independente da orientação sexual. Querer ser pai ou mãe homossexual ou hetero não deveria causar a celeuma toda que temos visto, deixar crianças à própria sorte sim. Até agora não vi nenhum movimento para melhorar os abrigos, recuperar as crianças que estão nascendo neste momento com abstinência pelo uso do crack por pais doentes etc, porém, uma rápida busca dos sites da internet e lá estão eles, discutindo e discriminando quem só está querendo dar amor a uma criança como pais ou mães. Felicidades ao Martin! Daqui vou também dando a minha contribuição para que o mundo seja melhor para as crianças de hoje e que futuramente herdarão os frutos de nossas opiniões e atitudes.

    ResponderExcluir
  5. Pois é, gente. O assunto é muito sério mesmo. Devemos começar a tratar em casa, com os pequenos e ir para as escolas e partir para o mundo.
    Devemos não permitir nenhum ato de preconceito, nenhum tipo de gracinha, nenhuma piada, nada. Devemos realmente "erguer a bandeira da igualdade", como faz meu pai, o Poeta da Igualdade. Vamos à luta, com nossas armas: amor e vontade!
    Bjs
    Yo

    ResponderExcluir
  6. Ola a todos !
    Primeiramente quero dar para bens a Yo e ao Fabio pelo nascimento de Martim!!! Muitas felicidades a toda familia!!!
    Em segundo lugar acho que o respeito a todas as pessoas independente de sexo, raca e crenca (desculpem estou sem os acentos no computador)'e a base de termos um bom relacionamento com todas as pessoas.
    Temos que sim ter experiencias na vida, pois atraves delas 'e que aprendemos e, assim, crescemos. A maternidade deve ser maravilhosa, um dia, quem sabe, vou ter essa experiencia tambem!
    Sou budista e pregamos a igualdade entre as pessoas. Acreditamos que todos os seres humanos sao espiritos que estao passando por uma experiencia humana. Entao, por que nao respeitar o outro, ja que somos todos iguais???
    Um beijo a todos e adorei o post Yo!!!
    Elo

    ResponderExcluir
  7. Que bom, Elo, fico muito feliz com suas palavras.
    De sementinha em sementinha plantaremos grandes árvores!
    Beijos
    Yo

    ResponderExcluir
  8. Fantástico o seu artigo!...
    A vida sem preconceitos é muito mais leve!
    As pessoas deveriam ter essa experiência... garanto que teríamos um mundo muito melhor!
    Parabéns Yô! bjos...

    ResponderExcluir
  9. Obrigada, Márcia! Não paremos de acreditar!
    Beijos
    Yo

    ResponderExcluir